Sem poesia, a vida seria a morte.


sexta-feira, 30 de março de 2012


Todos os relógios do mundo marcam a mesma hora,
mas toda hora é nova para cada relógio.

Os mistérios do céu se revelam um tanto a mais do possível e
ousado
desnuda a alma que já pensava-se nua e
plena
renova suas dimensões, suas fronteiras, seus ilimites.

E a alma ilimitada se liberta,
se encontra, transmuta e sente.

Se desde Netuno
Vênus rodopia todo o relógio e tonta, já sabe o que busca,
Plutão se diverte assistindo seus domínios ampliados
num Sol tão a pino que não permite mais nenhuma sombra.
Não há como se esconder ou fugir.
O universo se entrega
em intervalos, os conflitos se atenuam e a luz segue livre
num horizonte que transcende, acende, e suavemente preenche.

mais uma vez sempre
hoje meu coração me excede,
no ar flutua e permanece,
estou aqui agora..estou sempre agora.

Claudia Quintana

2 comentários:

  1. muito boa. Comprarei teu livro em breve.

    ResponderExcluir
  2. Ops, aliás, desobri o seu blog pela sua entrevista no site da USP.

    ResponderExcluir