Sem poesia, a vida seria a morte.


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Vem a lua, vem, retira
as algemas dos meus braços.
Projeto-me por espaços
cheios da tua Figura.
Tudo mentira! Mentira
da lua, na noite escura.

Não te encontro, não te alcanço...
Só — no tempo equilibrada,
desprendo-me do balanço
que além do tempo me leva.
Só — na treva,
fico: recebida e dada.

Cecilia Meireles




Nenhum comentário:

Postar um comentário